Público de Novos Hábitos

On line agora

segunda-feira, 26 de junho de 2017

O poder da Autoconfiança.




Autoconfiança é a convicção que uma pessoa tem, de ser capaz de fazer ou realizar alguma coisa. O termo, que é típico da literatura terapêutica e de autoajuda, é muitas vezes usado como sinônimo de autoestima e de auto aceitação. Uma análise mais detalhada de seu uso mostra, no entanto, que autoconfiança se refere sempre à competência pessoal, enquanto autoestima é um termo mais amplo. Também "auto aceitação" possui um uso próprio mais restrito e está mais relacionado com o conceito de "aceitação incondicional" da abordagem centrada na pessoa.

Na abordagem psicoterapêutica de Friederike Potreck-Rose e Gitta Jacob (2008) para o aumento da autoestima, a autoconfiança representa um dos quatro pilares desta, sendo definida como "uma postura positiva com relação às próprias capacidades e desempenho" e inclui as convicções de saber fazer alguma coisa, de fazê-lo bem, de conseguir alcançar alguma coisa, de suportar as dificuldades e de poder prescindir de algo (Fonte: Wikipédia).

Quanto mais confiança em si mesma (o) você tiver, mais irá avançar em qualquer área de sua vida.



Neste artigo quero abordar algumas técnicas práticas para você aumentar a sua autoconfiança e compreender o poder que ela tem.

Em qualquer segmento estiver, ou para qualquer área da sua vida, com certeza você precisará ter ou desenvolver a autoconfiança, sem ela sua vida se seguirá no automático, com muita insegurança, medo e ansiedade. A autoconfiança nada mais é do que ter um fio ligado diretamente em sua essência, naquilo que você emana de si.
 O fato é que pela experiência que tenho nos atendimentos, a maioria das pessoas se perderam e não sabem mais do que gostam; nem sequer possuem um propósito definido. Isto gera muita insegurança e consequentemente uma baixa autoestima e baixo poder pessoal.

É fundamental ressaltar que para desenvolver a sua autoconfiança, primeiro você precisará saber qual é a sua essência, seu temperamento e do que gosta, na sequência, aceitar e amar tudo isto em si. Caso contrário ficará refém da opinião alheia e isto te gerará, muito desconforto e baixa autoconfiança.

Depois que trabalhar isto dentro de você (autoconhecimento e auto aceitação), comece a fazer o exercício do espelho, proposto pela autora do livro; Você pode curar sua vida, Louise Hay. Nele ela diz para de posse de um espelho dizer olhando diretamente nos olhos: Eu me amo, me aprovo e me aceito.

Note que tudo o que falei requer esforço, disciplina e dedicação. Ou seja, você irá demandar tempo para trabalhar isto interiormente. Caso não consiga sozinha (o), recomendo que contrate um profissional para acompanhar o seu caso, para ajudar no desenvolvimento/aumento de sua autoconfiança.

Tudo é possível, desde que você se comprometa com o seu processo, que é único. Cuide-se com amor!

Bibliografia sugerida: O poder do agora. (Eckhart Tolle). Um novo mundo. O despertar de uma nova consciência. (Eckhart Tolle).

Grande abraço.

Adriana Mantana


Coach de Mulheres, Terapeuta e Psicanalista, articulista do Jornal Diário da Manhã, site: http://totalmentemulher.com.br/

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Novas paixões.



Paixão é um sentimento humano intenso e profundo, marcado pelo grande interesse e atração da pessoa apaixonada por algo ou alguém (Fonte: Significados.com.br).

Neste artigo não vou falar para você encontrar alguém para se apaixonar, vou falar sobre algo bem maior do que isto, me acompanhe e entenda o que quero dizer.

Gravei recentemente um vídeo no YouTube que falei exatamente sobre este tema. 



Quando falo novas paixões, quero dizer algo novo para você praticar, um novo hobby, coleção ou algo do gênero.
Sabe aquela coleção que você gostava muito, mas que você deixou de lado porque precisou crescer e criar juízo. É exatamente dela que vou falar com você.

Para o seu bem-estar emocional e psicológico, volte a fazer aquilo que te dava prazer. Se você não sabe o que gera o seu bem-estar, passe um tempo com você e investigue, pois, quanto mais você se dedicar a isto, menor será a probabilidade de ter estresse e problemas de saúde.

Atualmente tudo nos leva para fora de nós e este afastamento tem grandes consequências, ansiedades, medos, dúvidas, preocupações, pensamento acelerado, insônia e etc.



Volte-se para o seu eu interior, questione-se sobre o que você realmente gosta de fazer.

Desenvolva novas paixões, seja cuidar de plantas, tocar violão, ler ou qualquer outra coisa que tenha afinidade. Daí você vai me dizer: “Adriana, eu não tenho tempo”. 

Respondendo sua afirmação, na verdade você tem tempo sim, o que você não fez até agora foi priorizar o seu bem-estar. 

Não espere uma doença ou que algo negativo para você fazer isto, seja preventiva (o), comece agora. Pare por um minuto e tire do papel, aquele seu desejo antigo de fazer algo por você. 

Dê o primeiro passo neste momento, se for um curso, ligue e faça a matrícula. Ou se for outra coisa, não importa, dê o primeiro passo.

Tenha o hábito de se pôr em primeiro lugar, saia do final da fila e assuma a dianteira da sua vida. Dedique-se a uma nova paixão, trate-se com amor.

Bibliografia sugerida: O poder do agora. (Eckhart Tolle). Um novo mundo. O despertar de uma nova consciência. (Eckhart Tolle).

Grande abraço.

Adriana Mantana


Coach de Mulheres, Terapeuta e Psicanalista, articulista do Jornal Diário da Manhã, site: http://totalmentemulher.com.br/

segunda-feira, 12 de junho de 2017

O que realmente te faz feliz?



A felicidade é um estado durável de plenitude, satisfação e equilíbrio físico e psíquico, em que o sofrimento e a inquietude são transformados em emoções ou sentimentos que vão desde o contentamento até a alegria intensa ou júbilo. A felicidade tem, ainda, o significado de bem-estar espiritual ou paz interior. Existem diferentes abordagens ao estudo da felicidade - pela filosofia, pelas religiões ou pela psicologia. O homem sempre procurou a felicidade. Filósofos e religiosos sempre se dedicaram a definir sua natureza e que tipo de comportamento ou estilo de vida levaria à felicidade plena.


A felicidade é o que os antigos gregos chamavam de eudaimonia, um termo ainda usado em ética. Para as emoções associadas à felicidade, os filósofos preferem utilizar a palavra prazer. É difícil definir, rigorosamente, a felicidade e sua medida. Investigadores em psicologia desenvolveram diferentes métodos e instrumentos, a exemplo do Questionário da Felicidade de Oxford, para medir o nível de felicidade de um indivíduo (Fonte: Wikipédia).
Em suma, meça a sua felicidade por aquilo que faz você se sentir bem. Ou seja, quanto melhor se sentir, melhor estará e consequentemente mais feliz.
Para perceber o que realmente te faz feliz, primeiro é preciso desenvolver o hábito da auto-observação, passar um tempo só com você e com o que sente, sem sair correndo para fazer alguma coisa (fugindo de você).
Aprenda a silenciar a sua mente do turbilhão de coisas e das suas obrigações, se você morrer daqui um minuto, será só mais uma pessoa ocupada dos tempos modernos. No entanto o nosso objetivo aqui com este artigo; é fazer com que você reflita um pouco a respeito da vida que tem levado até hoje.

Se você anda angustiada, estressada, ansiosa, com medo e outras sensações e sentimentos desagradáveis, pare um pouco e avalie, qual vida você está se proporcionando, digo isto, porque você é 100% responsável por sua vida.
E avalie também como estará daqui 10 anos agindo assim. A vida não dá saltos o seu resultado de amanhã é a consequência direta do que faz hoje. Se está se sentindo mal hoje, amanhã, se não fizer nada para mudar isto agora, com certeza também estará se sentindo mal.
Costumo passar como uma das primeiras tarefas, quando alguma pessoa inicia um processo de coaching e terapia comigo, 15 minutos diários de auto namoro, vou explicar como funciona: “A pessoa fica com ela, 15 minutos por dia, seja lendo um livro por este tempo, tomando um banho sentindo realmente que está fazendo isto, tomando um café ou ficando em silêncio”. Tudo isto é preciso ser feito no AGORA, ou seja, a cabeça precisa ser desligada. Porque a cabeça não é você, ela é só um aparelho, com vários programas, como se fosse um computador. Sua cabeça precisa de educação e a única pessoa que tem acesso a ela é você.


Sugiro que desenvolva o hábito de ficar com você de verdade por 15 minutos e colocar um freio mental na cabeça, isto é possível desde que você comece.
Se não conseguir por 15 minutos, inicie com 5 minutos, mas dê o primeiro passo.
Ao fazer isto, você vai conseguir sair da cabeça e ir para o sentir, que é onde mora a sua essência e somente lá, você vai conseguir descobrir o que te faz realmente feliz. Lembre-se de que você faz suas escolhas e suas escolhas fazem você!
Cuide-se com amor!
Bibliografia sugerida: O poder do agora. (Eckhart Tolle). Um novo mundo. O despertar de uma nova consciência. (Eckhart Tolle).

Grande abraço.

Adriana Mantana

Coach de Mulheres, Terapeuta e Psicanalista, articulista do Jornal Diário da Manhã, site: http://totalmentemulher.com.br/


terça-feira, 6 de junho de 2017

Ajuda-te que o céu te ajudará.



Pedi, e dar-se-vos-á, buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Porque todo o que pede, recebe; e o que busca, acha; e a quem bate, abrir-se-á. (Mateus, VII: 7-11).

Se você acompanha o meu trabalho, provavelmente sabe que sou coach de mulheres, terapeuta e psicanalista, ou seja, eu trabalho com a ajuda. Em meus diversos atendimentos vejo o quanto realmente existe a falta de autoajuda.

Compreendo que muitas vezes existe o ciclo da autossabotagem, a pessoa não se acha merecedora de ser feliz, daí vai justificando a sua falta de atitude e ação, para aquilo que sabe ser importante em sua vida. Exemplo número de justificativa: “Não tenho tempo”.

Desta forma os anos vão passando e a pessoa cada vez mais pega o chicote na mão e se bate, julgando ser uma fracassada. O que não é verdade. 


Ela pode estar momentaneamente paralisada, mas é necessário que compreenda que isto não é ela. Mas um de seus aspectos da personalidade, que a faz se achar uma menos e uma inadequada.

Para sair deste tipo de ciclo, muitas vezes a dor faz um papel importante, porque a pessoa vai procrastinando, procrastinando... até que a dor faz uma visita, seja o rompimento de uma relação, a perda de um emprego, uma falência, morte de alguém querido ou mesmo uma doença.  

Geralmente isto faz a pessoa refletir e realmente se voltar para ela e suas próprias necessidades, assim consegue ver o auto-abandono que muitas vezes praticou durante anos, mas que agora resolve retomar sua própria vida, rever seus valores e forma de pensar. 

Geralmente quem passa por algum tipo de situação como esta, muda completamente a forma de viver e ver as coisas. 

Consequentemente passa a ter outra qualidade de vida.



A ideia deste artigo é te chamar a atenção para evitar grandes dores, se ajude por amor e não pela dor. Não espere perder para dar valor, faça algo por você neste momento em que lê estas palavras. Se comprometa de verdade com você e sua vida.

Dedique-se diariamente 15 minutos para você, neste período, faça afirmações, conheça-se e se apoie, com a prática vai perceber o quanto isto faz diferença.

Costumo falar em meus atendimentos, que se você já fez “tudo” e ainda não deu certo, busque outras formas e esteja aberta para mudanças.

Aprenda que ciclos abrem e fecham, mas não precisa ser tão doloroso assim, por mais que o luto exista, passe este luto ao seu lado. Dizendo palavras para acalmar você como: “Calma, eu estou aqui com você. Vai ficar tudo bem, eu te amo”.

Acostume-se com a sua companhia, passe um tempo a sós ao seu lado e curta isto. Afinal você está dentro de você 24 horas por dia, faça com que estas horas de vida sejam boas, só depende de você.
Cuide-se com amor!

Bibliografia sugerida: O poder do agora. (Eckhart Tolle). Um novo mundo. O despertar de uma nova consciência. (Eckhart Tolle).

Grande abraço.

Adriana Mantana

Coach de Mulheres, Terapeuta e Psicanalista

Receba nossas ÚLTIMAS NOVIDADES.

Deixe o seu email aqui para receber nossas ÚLTIMAS NOVIDADES.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...